Sociedade

Alcoutim vai ter ciclovia e centro de BTT

28-04-2021

Desenvolvimento do turismo ativo, valorização do património natural e consolidação das infraestruturas âncora existentes no Algarve, destinadas à prática da atividade de cicloturismo e pedestrianismo, são os grandes objetivos

O Município de Alcoutim viu aprovada uma candidatura ao Plano de Ação de Desenvolvimento de Recursos Endógenos (PADRE) designada por “READY – Recursos Endógenos e Desenvolvimento do Turismo Ativo”, na sua 3.ª fase, que prevê a criação de uma ciclovia (pista ciclável e faixa ciclável) com cerca 6,73 Km, dotando a vila de Alcoutim de uma rede de ciclovias.

Segundo explica a autarquia em comunicado, "a operação visa ainda, a criação de um centro de BTT – infraestruturas de apoio (Instalações sanitárias e local adequado equipado para a lavagem e manutenção de bicicletas, para pequenas reparações e afinações), com uma área de 193 metros quadrados". A partir do centro de BTT segue "a ciclovia que ramificará até ao centro da vila e fará um circuito fechado pela EN122-1, entroncando no CM 1055 que ligará a Corte Tabelião, intersetando nesse ponto a via Algarviana".

"O que se pretende é o desenvolvimento do turismo ativo, a valorização do património natural e a consolidação das infraestruturas âncora existentes no Algarve, destinadas à prática da atividade de cicloturismo e pedestrianismo, procurando assim conseguir criar condições de sustentação económica nos territórios de baixa densidade", destaca o município alcoutenejo.

A operação tem enquadramento no Programa Operacional CRESC Algarve 2020, eixo prioritário 5 – investir no emprego, objetivo temático 8 – promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade laboral, prioridade de investimento – 8.9. – A conceção de apoio ao crescimento propício ao emprego, através do desenvolvimento do potencial endógeno como parte integrante de uma estratégia territorial para zonas especificas, incluindo a conservação de regiões industriais em declínio e o desenvolvimento de determinados recursos naturais e culturais e da sua acessibilidade, estando o investimento incluído no Plano de Ação de Desenvolvimento de Recursos Endógenos (PADRE).

A iniciativa, que se prevê estar concluída até 31 de dezembro de 2022, tem um investimento elegível 732.625,93 euros, ao qual foi atribuída uma comparticipação comunitária (FEDER) de 512.838,15 euros.