Saúde

Covid-19: Parlamento prolonga uso obrigatório de máscaras na rua por mais três meses

Filipe Vilhena

22-12-2020

A lei impõe o uso obrigatório de máscara em espaços públicos e prevê coimas entre os 100 e os 500 euros para os incumpridores

O parlamento aprovou hoje o diploma do PSD que renova por mais três meses o uso obrigatório de máscara em espaços públicos, medida que vigora em Portugal desde 28 de outubro e que terminaria em 05 de janeiro.

O projeto-lei hoje aprovado prolonga, sem alterações, a vigência da atual lei, que impõe o uso obrigatório de máscara em espaços públicos e prevê coimas entre os 100 e os 500 euros para os incumpridores.

MARCELO CONSIDERA QUE PORTUGAL FOI "EXEMPLO DE COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL ALARGADA"

O Presidente da República considerou hoje que em 2020 Portugal foi um "exemplo de cooperação institucional alargada" que "mostra como a democracia está sólida" e pediu aos portugueses que tenham cuidado na celebração do Natal.

O chefe de Estado falava numa sessão de apresentação de cumprimentos de boas festas por parte do Governo, na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, em que o primeiro-ministro, António Costa, participou à distância, aparecendo em direto num ecrã em tamanho real colocado ao lado direito do chefe de Estado.

Dirigindo-se para António Costa, que está em isolamento na residência oficial de São Bento, em Lisboa, por ter estado com o Presidente francês, Emmanuel Macron, a quem foi diagnosticada infeção com o novo coronavírus, Marcelo Rebelo de Sousa disse-lhe que "está presente, apesar de não estar presente, e assim se cumpre a tradição".

"É simbólico que nos esteja a falar a partir de uma situação de confinamento imposto pela pandemia por um contacto pontual, específico, limitado, mas que é partilhado por muitos portugueses: temos mais de 65 mil portugueses a braços com a pandemia, e mais umas dezenas de milhares em quarentena, como vossa excelência, por contactos considerados de risco mais elevado. E, portanto, isto é uma lição: os portugueses sabem que pode acontecer a qualquer um", considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa recordou que também ele já cumpriu "uma quarentena, quando isso era incompreensível para o comum dos mortais", em março, e em seguida subscreveu o pedido do primeiro-ministro aos portugueses para que tenham cuidado nesta quadra do Natal para conter a propagação da covid-19.

Portugal contabiliza hoje mais 63 mortes relacionadas com a covid-19 e 2.436 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O boletim epidemiológico da DGS revela que estão internadas 3.095 pessoas, menos 63 do que na segunda-feira, das quais 508 em cuidados intensivos, ou seja, mais seis.

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 6.254 mortes e 378.656 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando hoje ativos 67.577, menos 2.849 do que na segunda-feira.