Política

DURO GOLPE: Portugal está fora da lista verde do Reino Unido

Expresso

03-06-2021

É um duro golpe para os operadores turísticos e para a economia portuguesa. A decisão deve ser anunciada esta quinta-feira à tarde e vai obrigar milhares de britânicos a rever os seus planos de férias

Portugal vai sair da “lista verde” de países de onde se pode regressar ao Reino Unido sem cumprir quarentena, escreve o diário “The Telegraph” esta quinta-feira, ainda antes da divulgação oficial pelo Governo britânico.

A decisão entra em vigor na terça-feira, 8 de junho, às quatro da manhã, pelo que milhares de britânicos que rumaram ao nosso país, sobretudo ao Algarve, terão de voltar mais cedo, enquanto outros cancelam viagens.

Segundo o jornal londrino, a decisão — que as televisões BBC e SkyNews corroboram — foi tomada por causa do aumento de incidência de novas variantes do SARS-CoV-2.

Quem chegar de Portugal, agora na lista amarela, terá de fazer dez dias de isolamento em casa, ao longo dos quais fará dois testes PCR. É um recuo significativo no Reino Unido, que visa proteger o país de surtos de covid-19 até 21 de junho, dia em que o primeiro-ministro Boris Johnson quer levantar as últimas restrições dentro de portas.

Portugal é o único que sai da lista verde, que não tem novas entradas e onde permanecem 11 territórios, dos quais apenas Islândia e Gibraltar aceitam viajantes britânicos.

A BBC indica que a decisão foi tomada numa reunião entre o Governo central e os governos da Escócia, Gales e Irlanda do Norte, aconselhados pelo centro de biossegurança.

“The Telegraph” aponta que sete países entraram para a lista vermelha: Egito, Sri Lanka, Costa Rica, Bahrein, Sudão, Trindade e Tobago e Afeganistão. O jornal dá conta da desilusão do sector turístico.

“O verão está a ser esmagado por causa da política do medo”, critica Paul Charles, diretor da consultora PC Agency. Considerando que a decisão “desafia a lógica”, prevê que vá “ameaçar dezenas de milhares de empregos na aviação no sector das viagens, para não falar dos danos à confiança dos consumidores.” A seu ver, devia haver mais países na lista verde.


Notícia exclusiva do nosso parceiro Expresso