Cultura.Sul

Vila-realense José Estevão Cruz apresenta novo romance e último livro da trilogia "Fronteira de Bloqueios"

04-05-2021

Os três romances da trilogia contam a história de Mariana e Brandão, dois banidos pela Inquisição que chegam ao degredo em Castro Marim, no dia do Terramoto de 1755

José Estevão Cruz vai apresentar esta quarta-feira, pelas 18:00 horas, na Biblioteca Municipal Vicente Campinas, em Vila Real de Santo António, o seu novo romance, “A Fronteira das Águas Porosas”, último livro da trilogia "Fronteira de Bloqueios".

Este é o sexto romance do autor, nascido em Vila Real de Santo António em 20 de Julho de 1947.

Os três romances da trilogia contam a história de Mariana e Brandão, dois banidos pela Inquisição que chegam ao degredo em Castro Marim, no dia do Terramoto de 1755, ocasião na qual a atividade das pescas ganha grande importância no antigo Reino do Algarve. Iludem a sua condição, acobertados pela perda dos registos, e utilizam as competências próprias e uma aliança com os catalães presentes na área de Ayamonte. Fundam salinas em Castro Marim, um estaleiro no Guadiana e uma companhia de pescas nas praias de Monte Gordo.

Mariana assiste ao erguer da nova Vila Real de Santo António e convive com as principais personagens que participam na edificação da vila-fábrica e na instalação das companhias tituladas por armadores de Portugal. Apaixona-se pela filosofia iluminista e sofrerá as consequências dessa opção, após a morte de D. José I.

Segundo a análise literária do professor Fernando Martins, "em A Fronteira das Águas Porosas, estamos, assim, mais uma vez, no domínio da ficção histórica. Quanto a estas componentes – história nacional e ficção –, o que ficou dito é um pálido apontamento da intriga e da vastidão informativa coligida pelo autor. Se a informação histórica e os episódios da intriga são o principal atractivo da narrativa e fazem as delícias de leitores eruditos e menos eruditos, são, todavia, os aspectos relacionados com a expressão literária e a técnica de composição que mais importam a este leitor não erudito que nutre especial apetência pela sujeição da escrita ao crivo fino da coerência narrativa e da sugestividade linguística".